Recados

2 - Restaurar todos os homens e o homem todo

 Quando Jesus proclama em alto e bom som: “Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância!” (Jo 10,10) – Ele está se referindo a salvação universal e integral que Ele veio realizar, de todos os homens e do homem todo, ou seja, em todas as suas dimensões. Desta forma, Ele chama para si a missão messiânica que Deus lhe confiou como Salvador e Restaurador da humanidade. Missão esta que Isaías já havia profetizado (Is 61,1-4) e que Ele identificou como sendo a sua na sinagoga de Nazaré:

 

Lc 4,17 Jesus leu a passagem onde está escrito: 18 “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Notícia aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos presos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos, 19 e para proclamar um ano de graça do Senhor.” 20 Em seguida Jesus fechou o livro, o entregou na mão do ajudante, e sentou-se. 21 Então Jesus começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura, que vocês acabam de ouvir.”

 

O homem é uma unidade pluridimensional. Ou seja. Existe uma unidade de personalidade, mas com várias dimensões. O ser humano é pessoa. O seu dedo não é um pedaço de você. O seu dedo é você. Existe uma unidade que integra toda personalidade, da ponta do cabelo à ponta do pé. E esta unidade pessoal possui várias dimensões que formam um todo inseparável, um sujeito com liberdade e responsabilidade. Por isso, o pecado sempre afeta a pessoa por inteiro, de modo que, após a culpa do pecado ser perdoada, a restauração do sujeito também deve ser por inteiro, em todas as suas dimensões. Desta forma, a salvação que Cristo Jesus veio realizar é plena e universal. Ele veio salvar e restaurar todos os homens e o homem todo.

 

Sl 80,4 Restaura-nos, ó Deus, e seremos salvos!

 

Deus deseja que a sua bênção alcance a pessoa por inteiro, em cada uma das cinco dimensões da sua existência, pois uma dimensão depende da outra para ser completamente salva e restaurada.

 

- Dimensão Corporal: O corpo é a exteriorização da nossa identidade no tempo e no espaço. Como o espírito é a dimensão que mais nos específica entre as outras criaturas (somente o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus), dizemos que o corpo é exteriorização do espírito na história. O nosso corpo também é a “máquina biológica” com a qual vivemos aqui na terra, convivemos com os outros e realizamos a nossa missão. Diversos tipos de doenças podem lhe causar dores, sofrimentos e adversidades.

 

- Dimensão Intelectual: O Senhor também nos concedeu o dom da razão, da aprendizagem e da consciência. Porém, feridos pelo pecado original e influenciados pelas trevas do mundo, temos ignorâncias e orgulhos que nos empurram para a cegueira, ateísmo, prepotência e libertinagem.

 

- Dimensão Social: O homem é pessoa, ser de comunicação. É impossível viver sozinho. O outro sempre faz parte da nossa vida. Com os outros formamos família, Igreja, sociedade. O isolamento vira psicose e loucura. Levados pelo egoísmo ou pela decepção, caímos no individualismo, na exploração, na ganância, na violência e nos guetos.

 

- Dimensão Afetiva: Somos seres de afetos, sentimentos, emoções e sexualidade. São verdadeiros dons de Deus para a nossa felicidade. Mas as feridas interiores fragmentam a nossa alma, infernizam o nosso inconsciente, tiram-nos a paz e geram angústias e tristezas, traumas e complexos. Os problemas emocionais favorecem novos pecados, erros e vícios.

 

- Dimensão Espiritual: O espírito (com “e” minúsculo) corresponde àquela abertura transcendental do ser humano para Deus. Fomos criados para viver em comunhão com Deus, mas o Maligno sempre procura nos separar dele. Por isso ele recebe o nome de Diabo, aquele que divide.

 

MODP Lucas 4,17-21