Recados

1 - O perdão da culpa do pecado

Já meditamos sobre pecado e perdão no âmbito da conversão e redenção. Agora vamos meditar na perspectiva sacramental para que todos possam se preparar e fazer uma boa confissão na presença do padre durante essa semana. 


Todos os males que nos afligem possuem a sua origem, direta ou indiretamente, no pecado. É preciso curar esta doença que nos atormenta, “pois o salário do pecado é a morte” (Rm 6,23).

Fomos criados à “imagem e semelhança de Deus”. Portanto, somos bons por natureza. Porém, esta nossa natureza humana foi ferida pelo pecado e passou a ter uma tendência para o mal que destrói a vida e afasta do Criador.

Rm 5,19 Pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecadores.

 

1Jo 1,8 Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós!

 

Podemos dizer com o Apóstolo Paulo: “Não faço o bem que quero, e sim o mal que não quero. Ora, se faço aquilo que não quero, não sou eu que o faço, mas é o pecado que mora em mim. Infeliz de mim! Quem me libertará deste corpo de morte? Sejam dadas graças a Deus, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor" (Rm 7,19-24).

Esta nossa inclinação para o mal, que é chamada de concupiscência, é um conjunto de instintos egoístas e paixões carnais desordenadas que nos fazem pecar e atrapalham a nossa comunhão com Deus. Eis alguns exemplos: fornicação, impureza, libertinagem idolatria, feitiçaria, ódio, discórdia, ciúme, rivalidade, sectarismo, inveja, bebedeira, orgias e outras coisas semelhantes (Gl 5,19ss).

Quanto mais pecamos, mais compactuamos com essas forças malignas e delas nos tornamos dependentes (viciados), porque o pecado gera a escravidão espiritual.

 

Jo 8,34 Jesus respondeu: “Eu garanto a vocês: quem comete o pecado, é escravo do pecado. 36 Por isso, se o Filho os libertar, vocês realmente ficarão livres.

 

Rm 7,22 No meu íntimo, eu amo a lei de Deus; 23 mas percebo em meus membros outra lei que luta contra a lei da minha razão e que me torna escravo da lei do pecado que está nos meus membros. 24 Infeliz de mim! Quem me libertará deste corpo de morte? 25 Sejam dadas graças a Deus, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor.

 

É preciso, pois, realizar um verdadeiro combate espiritual contra o pecado, na Graça de Jesus Salvador, o único capaz de nos libertar deste “corpo de morte” e nos fazer reviver do vale de ossos secos.

Devemos fazer a nossa parte no combate espiritual contra o pecado.

 

Ap 2,16 Vamos! Arrependa-se!

 

Mas o homem não pode se salvar sozinho. Somente Deus pode perdoar e curar a alma da culpa do pecado (Lc 5,17). Por isso Jesus instituiu o Sacramento do Perdão e o confiou aos cuidados da sua Igreja, a fim de que continuasse perdoando os cristãos em seu nome: “Os pecados daqueles que vocês perdoarem, serão perdoados. Os pecados daqueles que vocês não perdoarem, não serão perdoados” (Jo 20,23).

O Sacramento da Confissão para o perdão da culpa do pecado foi instituído por Jesus na esteira da espiritualidade judaica veterotestamentária.

 

Sl 32,1 Feliz aquele cuja ofensa é absolvida. 3 Enquanto me calei, meus ossos se consumiam, o dia todo rugindo, 4 porque dia e noite a tua mão pesava sobre mim. O meu coração tornou-se como feixe de palha em pleno calor de verão. Confessei a ti o meu pecado, não te encobri o meu delito. Eu disse: “Vou a Javé confessar a minha culpa!” E tu absolveste o meu delito, perdoaste o meu pecado.

 

MOPD Salmo 32,1-5