Recados

1 - Cura das consequências do pecado

  

A graça da salvação comporta a conversão, justificação, santificação e renovação do homem interior. Salvação significa perdoar a culpa dos pecados e curar as consequências do pecado. Neste sentido, salvação é renovação e restauração.

É necessário descer às raízes e enfrentar a fonte do mal que atormenta a humanidade. Porque do Bom Deus só vem o bem, então todo mal que sofremos na nossa vida pessoal, familiar e comunitária é consequência do pecado.

É uma ofensa muito grave atribuir a Deus o sofrimento da humanidade, porque Ele “não fez a morte nem tem prazer em destruir os viventes” (Sb 1,13). “A morte é o salário do pecado” (Rm 6,23). A verdade é que sempre sofremos as consequências negativas dos nossos próprios pecados ou dos pecados de outras pessoas que acabam prejudicando a nossa vida. O pecado e suas consequências nefastas desfiguram a nossa imagem e semelhança com Deus.

 

Gl 6,7 Não se iludam, pois com Deus não se brinca: cada um colherá aquilo que tiver semeado. 8 Quem semeia nos instintos egoístas, dos instintos egoístas colherá corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna.

 

Por detrás de cada pecado sempre existe a fraqueza humana, a influência do mundo e a tentação de Satanás. Quando compactuamos com o mal, tornamo-nos culpados e ingratos diante de Deus, pois erramos o alvo da nossa verdadeira felicidade, fugimos da sua Presença e fazemos mal uso da nossa liberdade. Temos culpa no pecado cometido e deveríamos pagar cada centavo dos danos acarretados, seja na nossa própria vida, seja na vida das outras pessoas e na natureza em geral.

Mas a misericórdia de Deus é infinita. Jesus Cristo veio para nos redimir dos pecados e nos tornar justos diante do Pai Celeste. Ele pagou um alto preço pela nossa salvação, o preço do seu Sangue derramado na Cruz. “Por meio do Sangue de Cristo é que fomos libertos e nele nossas faltas foram perdoadas, conforme a riqueza da sua graça” (Ef 1,7).

Jesus nos justificou na Cruz. Fomos salvos. Pelo arrependimento, a fé e o batismo a culpa dos pecados é perdoada. Porém, após o perdão, precisamos ser curados e libertos de todas as consequências negativas do pecado, pois, como lembrávamos, “o salário do pecado é a morte”.

Por exemplo: se uma pessoa deu uma facada em alguém, após o arrependimento e a confissão da culpa, o seu pecado é perdoado. Porém, mesmo após o perdão, os envolvidos na situação deverão buscar também a cura e a libertação das consequências da facada. A restauração deve ser completa. Começa pelo perdão da culpa, mas deve continuar pela cura e libertação das consequências do pecado.

A obra de Deus nunca fica pela metade. Isto significa que Jesus Cristo, o Restaurador do homem, não só liberta da escravidão do pecado, mas também salva do lamaçal da morte. O “dom de Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, é vida eterna” (Rm 6,23) que começa nesta terra e se prolonga por toda eternidade.

 

Is 64,5 Todos juntos nos tornamos como uma coisa imunda, a nossa justiça é como roupa suja, nós todos murchamos como folhas, e nossos pecados como vento nos arrastaram. 6 Ninguém invocava o teu nome, nem se esforçava para apoiar-se em ti, pois escondeste de nós a tua face e nos entregavas ao poder da nossa culpa. 7 Mas agora, Javé, tu és o nosso pai; nós somos o barro, e tu és o nosso oleiro; todos nós somos obra de tuas mãos. 8 Não fiques irado para sempre, Javé, nem fiques lembrando sempre a nossa culpa. Vê! Todos nós somos o teu povo.

 

MOPD Isaías 64,5-8