Recados

6 - Convertei-vos e vivereis!

Vimos que a Igreja exorta sobre a realidade do pecado original sob pena de anátema. É o cuidado da Igreja para que não tratemos como sendo normal aquilo que pode levar a nossa alma para o inferno. O pecado não é faz de conta. O pecado não é abstrato. É algo bem concreto que aparta da Graça de Deus Pai, escraviza, atrofia, torna o nosso ser concupiscente e suja a alma. O salário do pecado é a morte, e morte eterna... E isto é muito sério.

 

A conversão é fundamental para a nossa salvação. “Convertei-vos e vivereis!” (Ez 18,32) Por isso, depois da nossa criação, a conversão é a primeira obra da Graça de Deus na nossa vida. Temos que desejar e dar passos. Porém, antes de tudo, é o próprio Deus quem está tocando o nosso coração, a nossa mente e nos atraindo para Ele. “Sob a moção da graça, o homem volta-se para Deus e desvia-se do pecado, acolhendo assim o perdão e a justiça do Alto.”

 

Converter-se para crer! A conversão antecede a fé. E isto mostra o quão necessária ela é para a nossa salvação. Só quem se converte professa realmente a fé em Jesus.

 

Conforme havia prometido, Deus fez surgir um Salvador para Israel, que é Jesus. E João, o precursor, havia preparado a chegada de Jesus, pregando a todo o povo de Israel um batismo de conversão (At 13,23ss). Estando para terminar a sua missão, João declarou: “Eu batizo vocês com água. Mas vai chegar alguém mais forte do que eu. E eu não sou digno nem sequer de desamarrar a correia das suas sandálias. Ele é quem batizará vocês com o Espírito Santo e com fogo” (Lc 3,16).  Depois que João Batista foi preso, Jesus pregava a Boa Nova do Reino de Deus: “Convertei-vos e crede no Evangelho!” (Mc 1,15)

 

Deus não brinca com a nossa salvação. Por isso na sua metodologia, o batismo de conversão antecede o batismo de salvação. No caso do batismo de crianças, os pais já devem ser convertidos e ensinar aos filhos tudo o que Jesus ensinou (Mt 28,19).

 

Nesta perspectiva bíblica as exortações “Convertei-vos e vivereis!” e “Convertei-vos e crede no evangelho!” são antes de tudo para deixar-se atrair pelo amor de Deus, render-se, deixar-se converter pelo Pai Criador, como rezava o salmista:

 

 

 

Sl 80,3 Despertai vosso poder, ó nosso Deus, e vinde logo nos trazer a salvação! Convertei-nos, ó Senhor Deus do universo, e sobre nós iluminai a vossa face! Se voltardes para nós, seremos salvos!

 

 

 

Neste deixar-se, neste render-se ao amor de Deus está incluída toda liberdade humana, pois Deus não pode converter quem não quer ou quem não se deixa converter. A obra é dele, mas a autorização é nossa. Como testemunhava o profeta Jeremias: “Seduziste-me, Senhor, e eu me deixei seduzir. Numa luta desigual, dominaste-me, Senhor, e foi tua a vitória!”

 

 

 

 

 

Metanoia

 

 

 

Na Bíblia a conversão verdadeira é metanoia, ou seja, mudança de caminho, mudança de trajetória e mudança de mentalidade.

 

 

 

- O homem caiu na tentação do Maligno. Não deu ouvidos ao Criador. Pecado da desobediência.

 

 

 

Metanoia: Quem se converte de verdade dá ouvidos a Deus e obedece. Oboedire, a obediência começa nos ouvidos. A gente obedece a quem a gente escuta!

 

 

 

- O homem se quis ser igual a Deus, como se pudesse viver sem a sua Graça. Pecado do orgulho.

 

 

 

Metanoia: Quem se converte é humilde, reconhece a sua pequenez diante de Deus e estende as mãos suplicando misericórdia!

 

 

 

- O homem abusou da liberdade e quis decidir por conta própria, a lei do bem e do mal, desconsiderando a Verdade e a Vontade do Criador. Pecado da embriaguez de autonomia.

 

 

 

Metanoia: Quem se converte passa a viver a sua liberdade com teonomia, de acordo com a Lei de Deus e da Igreja Católica.

 

 

 

Não existe conversão no pecado. Deve haver arrependimento e propósito de não pecar mais. Esta é a verdadeira conversão e o começo de tudo. “Convertei-vos e vivereis!”  “Convertei-vos e crede no evangelho!”

 

Quem se arrepende dos seus erros, pecados e ignorância e promete não pecar mais entra no caminho da salvação. Mesmo que venha a cair, está no caminho da salvação, dando passos e combatendo. Isto é fundamental para a Graça de Deus continuar agindo em nosso favor.

 

A verdadeira conversão é voltar para Deus rasgando o coração, e não só as vestes. Ir dentro de nós mesmos e rasgar aquilo que não é conforme a vontade de Deus. 

 

 

 

Jl 2,12 Voltem para mim de todo o coração, fazendo jejum, choro e lamentação. 13 Rasguem o coração, e não as vestes! Voltem para Javé, o Deus de vocês, pois ele é piedade e compaixão, lento para a cólera e cheio de amor, e se arrepende das ameaças.

 

 

 

O convertido não tem “achismo”. O que prevalece na sua vida é a Palavra de Deus. “Achismo” foi o que aconteceu com Adão e Eva. Deus disse que não comessem da árvore do conhecimento do bem e do mal, pois se quisessem decidir o bem e o mal por conta própria, morreriam. Eles acharam que não, e comeram... Comeram e entraram num processo de morte que atravessou toda história da humanidade até os dias de hoje.

 

Quem se arrepende decide não pecar mais. Para tanto deve fugir das ocasiões e amizades que levam a pecar. Os convertidos devem ter irmandade entre si para poderem se ajudar e não precisarem da amizade do mundo, pois quem tem amizade com o mundo é inimigo de Deus.

 

 

 

Tg 4,4 Idólatras! Vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo é inimigo de Deus.

 

 

 

Sendo a conversão tão fundamental para a nossa salvação, ela não pode ser retardada, não pode ficar para amanhã (Is 55 6,9). O tempo da conversão se chama hoje, porque este é o tempo favorável, este é o tempo da salvação (2Cor 6,1).

 

 

 

MOPD Ezequiel 18,21-32