Recados

2 - Ser santo é ser feliz


 

Como nos lembrava Santo Agostinho, Deus nos criou para a felicidade e não nos teria criado se não fosse para esta finalidade. Ao mesmo tempo ele nos criou para a santidade. Isto significa que ser santo é ser feliz e só é feliz quem é santo.

A santidade é o resultado da Graça de Deus agindo na nossa vida e da nossa cooperação com ele. Quando o filho pródigo se afastou de Deus, quebrou a cara e passou a viver no fundo do poço. Quando ele voltou para a casa, reencontrou a verdadeira felicidade no amor de Deus e dos irmãos. É isto a santidade. Viver limpo e perfumado como filho amado de Deus, na presença dele, e não como porco entre porcos.

O santo é aquele que estava morto e passou a viver, estava perdido e foi encontrado. Quão grande é a felicidade de quem experimentou o abandono do mundo e foi abraçado pela misericórdia do Pai! Mas Deus também participa desta felicidade e faz uma grande festa para celebrar.

Não existe alegria maior para Deus quando um filho volta para ele, porque somente nele o homem tem a vida. A parábola do filho pródigo terminou com uma grande festa e Deus explicou a razão para o filho mais velho que ficou resmungando do lado de fora...

 

Lc 15,25 O filho mais velho estava na roça. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26 Então chamou um dos criados, e perguntou o que estava acontecendo. 27 O criado respondeu: “É seu irmão que voltou. E seu pai, porque o recuperou são e salvo, matou o novilho gordo”. 28 Então, o irmão ficou com raiva, e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29 Mas ele respondeu ao pai: “Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua; e nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30 Quando chegou esse teu filho, que devorou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho gordo!” 31 Então o pai lhe disse: “Filho, você está sempre comigo, e tudo o que é meu é seu. 32 Mas, era preciso festejar e nos alegrar, porque esse seu irmão estava morto, e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado!”

 

Deus ensina que a felicidade de um irmão que foi resgatado do mundo deve ser grande motivo de alegria e de festa para toda Igreja... Temos que festejar, porque a alegria de um passa a ser alegria para todos, e todos são fortalecidos contra o Maligno e o mundo que vão continuar agindo para levar a pessoa de volta para o chiqueiro de porcos.

Caso fiquemos lá fora, resmungando por causa de um irmão que voltou, nós mesmos já estamos fazendo a obra do mundo e não entendendo nada do que é ser Igreja, família de Deus, e muito menos de santidade. Por isso o Pai das Misericórdias não tardou em explicar ao filho mais velho o motivo da festa, para ele se alegrar também, porque ele mesmo já estava apodrecendo por dentro. Vemos, portanto, que todos devemos estar num processo de santificação permanente que se manifesta na alegria de viver em comunidade, em família com Deus e os irmãos, nunca isolados.

A falta de amor e alegria fraterna dentro da Igreja tem mais força para derrubar uma pessoa do que todas as forças do mundo aliadas entre si para destruir um único filho de Deus que estava morto e voltou a viver, que estava perdido e foi encontrado. Por isso, muito cuidado em não participar da festa da santidade e ficar resmungando lá fora. Isto está presente nas outras duas parábolas que Jesus contou em Lucas 15. Todas falam desta festa comunitária da santidade:

 

A ovelha perdida

 

Lc 15,4 Se um de vocês tem cem ovelhas e perde uma, será que não deixa as noventa e nove no campo para ir atrás da ovelha que se perdeu, até encontrá-la? 5 E quando a encontra, com muita alegria a coloca nos ombros. 6 Chegando em casa, reúne amigos e vizinhos, para dizer: “Alegrem-se comigo! Eu encontrei a minha ovelha que estava perdida”. 7 E eu lhes declaro: assim, haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão.

 

A moeda perdida

 

Lc 15,8 Se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, será que não acende uma lâmpada, varre a casa, e procura cuidadosamente, até encontrar a moeda? 9 Quando a encontra, reúne amigas e vizinhas, para dizer: “Alegrem-se comigo! Eu encontrei a moeda que tinha perdido”. 10 E eu lhes declaro: os anjos de Deus sentem a mesma alegria por um só pecador que se converte.

 

Ser santo é ser feliz, é viver com dignidade como filho amado no amor de Deus e dos irmãos, rezando, crescendo na Palavra, namorando, jogando bola, trabalhando... Sem necessidade de vícios, baixarias, violência...

Temos que celebrar a alegria da vida nova tanto individualmente como em comunidade. Dar glória ao Deus Salvador e nunca o gosto a Satanás, aquele que empurra para o mundo e quando a pessoa está no fundo do poço, faz questão de enviar os seus obreiros para afundá-lo cada vez mais na lama. A festa do mundo celebra a desgraça. A festa dos filhos de Deus celebra a vitória da vida nova!

Ser santo é ser feliz de verdade e só é feliz quem é santo!

 

MOPD Lucas 15,3-10