Recados

2 - Deus Pai, o Amigo da Vida

Salvação é vida em plenitude. Por isso, o primeiro ato salvífico do amor de Deus foi a criação. Chamando-nos à existência, livrou-nos do nada e concedeu-nos a alegria de viver. Longe de mera demonstração de poder, tudo isso é expressão de amor que faz a vida acontecer. Deus Pai é o “amigo da vida!” (Sb 11,26).

 

Sb 11,21 Prevalecer com a força é sempre possível para ti. Quem poderia opor-se ao poder do teu braço? 22 O mundo inteiro diante de ti é como grão de areia na balança, como gota de orvalho matutino caindo sobre a terra. 23 Todavia, tu tens compaixão de todos, porque podes tudo, e não levas em conta os pecados dos homens, para que eles se arrependam. 24 Tu amas tudo o que existe, e não desprezas nada do que criaste. Se odiasses alguma coisa, não a terias criado. 25 De que modo poderia alguma coisa subsistir, se tu não a quisesses? Como se poderia conservar alguma coisa se tu não a tivesses chamado à existência? 26 Tu, porém, poupas todas as coisas, porque todas pertencem a ti, Senhor, o amigo da vida.

 

Elohim, o Deus Criador, criou tudo do nada. Só Ele pode criar, só Ele pode dar o ser às criaturas. O homem pode fazer a partir do que Deus criou, mas o homem não pode criar, porque ele é criatura, e criatura alguma pode dar o ser a outra criatura.

Aquele que deu o ser ao universo, somente Ele pode manter aquilo que criou. Ele criou o céu e o estendeu, firmou a terra e tudo o que ela produz. Ele dá respiração ao povo que nela habita e o espírito aos que sobre ela caminham (Is 45,5). Mantém tudo com a sua Palavra poderosa (Hb 1,3).

Deus fez a criatura humana existir a partir do nada, soprou-lhe o hálito de vida e colocou-a acima de todos os outros seres da natureza. “A hierarquia das criaturas é expressa pela ordem dos ‘seis dias’, que vai do menos perfeito ao mais perfeito. Deus ama todas as criaturas (Sl 145,9), cuida de cada uma, até mesmo dos pássaros. Apesar disso, Jesus diz: ‘Vós valeis mais do que muitos pardais’ (Lc 12,7), ou ainda: ‘Um homem vale mais do que uma ovelha’ (Mt 12,12). O homem é a obra-prima da obra da criação. A narração bíblica exprime isto distinguindo nitidamente a criação do homem da criação das outras criaturas (Gn 1,26).” (CIC, 342-343).

Mas Deus não criou o ser humano só para existir, só para vegetar, mas para viver. E viver com dignidade. Viver é diferente de simplesmente existir.

O paraíso terrestre era o “habitat natural” do homem. Era uma realidade de paz, alegria, fraternidade e santidade, pois ali o homem vivia em harmonia com Deus, com a natureza, com o seu semelhante e consigo mesmo. O Bom Deus nos criou para vivermos de bem com a vida.

Deus Pai, o Amigo da Vida, é digno de toda honra e toda glória. É próprio do homem sábio voltar-se para Aquele que o criou e adorá-lo como Senhor da sua vida. Toda a sua existência, em si mesma, já deve ser expressão de amor e gratidão ao Onipotente Amor Criador.

Foi por não adorar a Deus que o homem ignorante quis ser igual a Ele, desviou-se da Verdade e deparou-se com a morte. Mais tarde, como veremos, Jesus Salvador se manifestará justamente como o Caminho que reconduzirá a criatura humana a Deus e, portanto para a Verdade e a Vida.

 

MOPD Sabedoria 11,21-26



Cântico das Criaturas

São Francisco de Assis

 

Altíssimo, Onipotente, bom Senhor, teus são o louvor, a glória, a honra e toda a benção. Só a ti, Altíssimo, são devidos; e homem algum é digno de te mencionar.

Louvado sejas, meu Senhor, em todas as tuas criaturas, especialmente o senhor Irmão sol, que clareia o dia e com sua luz nos alumia. E ele é belo e radiante com grande esplendor: De ti, Altíssimo é a imagem.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã lua e as estrelas, que no céu formaste claras e preciosas e belas.

Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento, pelo ar, ou nublado ou sereno, e todo o tempo pela qual às tuas criaturas dás sustento.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água, que é mui útil e humilde e preciosa e casta.

Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão fogo pelo qual iluminas a noite e ele é belo e jucundo e vigoroso e forte.

Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã a mãe terra que nos sustenta e governa, e produz frutos diversos e coloridas flores e ervas.

Louvado sejas, meu Senhor, pelos que perdoam por teu amor, e suportam enfermidades e tribulações.

Bem-aventurados os que sustentam a paz, que por ti, Altíssimo, serão coroados.

Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã a morte corporal, da qual homem algum pode escapar. Ai dos que morrerem em pecado mortal! Felizes os que ela achar conforme à tua santíssima vontade, porque a morte segunda não lhes fará mal!

Louvai e bendizei a meu Senhor, e dai-lhe graças, e servi-o com grande humildade.