Conheça a Imaculada Conceição de Maria através dos escritos de Santo Afonso.

AS FESTAS DE NOSSA SENHORA

Dogma da Imaculada Conceição de Maria.

DA IMACULADA CONCEIÇÃO


CAPÍTULO I

PONTO SEGUNDO

Convinha a Deus Filho preservar da culpa a Maria, como sua Mãe

1. Podia o Filho criar para si uma Mãe ilibada

Nenhum outro filho pode escolher sua Mãe. Mas se a algum deles fosse dada tal escolha, qual seria aquele que, podendo ter por Mãe uma rainha, a quisesse escrava? Ou, podendo tê-la nobre, a quisesse vil? Ou, podendo tê-la amiga, a quisesse inimiga de Deus? Ora, o Filho de Deus, e ele tão somente, pode escolher-se mãe a seu agrado. Por conseguinte, deve-se ter por certo que a escolheu tal qual convinha a um Deus. Mas a um Deus puríssimo convinha uma Mãe isenta de toda culpa. Fê-la, por isso, imaculada, escreve S. Bernardino de Sena. E aqui quadra uma passagem de S. Paulo: Pois convinha que houvesse para nós um pontífice tal, santo, inocente, impoluto, segregado dos pecadores (Hb 7,26). Um douto autor faz observar que, segundo o Apóstolo, foi conveniente que nosso Redentor fosse separado tanto do pecado como até dos pecadores. Também S. Tomás o afirma com as palavras: Aquele que veio para tirar o pecado devia ser segregado dos pecadores, quanto à culpa que pesava sobre Adão. Mas como poderia Jesus Cristo dizer-se separado dos pecadores, se pecadora lhe fosse a Mãe?

Diz S. Ambrósio: Cristo procurou-se, não aqui na terra, mas no céu, um vaso de eleição no qual baixou ao mundo, e fez do seio da Virgem um templo sagrado. Em seguida, faz o Santo alusão às palavras de S. Paulo: O primeiro homem, formado da terra, é terreno: o segundo, vindo do céu, é celeste (1Cor 15,47). De vaso celeste chama Ambrósio a Divina Mãe. Não que Maria não fosse terrena por natureza, como sonhariam alguns hereges, mas porque ela é celeste pela graça, e excede os anjos do céu em santidade e pureza. Assim convinha ao Rei da glória, que havia de habitar em seu seio conforme a S. Brígida o revelou S. João Batista. O mesmo dizem as palavras de Deus Pai à referida Santa: “Maria foi ao mesmo tempo um vaso puro e manchado. Puro, porque era formosíssima; manchado, porque nascida de pecadores. Não obstante, foi concebida sem pecado”. As últimas palavras não devem ser entendidas como se Cristo Senhor fosse capaz de contrair culpa. Significam apenas que não devia passar pelo opróbio de nascer de uma criatura manchada pelo pecado e escrava do demônio.

2. A honra do Filho reclamava-lhe por Mãe uma criatura imaculada

Diz o Espírito Santo: A glória do homem provém da honra de seu pai, e o desdouro do filho é um pai sem honra (Eclo 3,13). É por isso, observa o Pseudo-Agostinho, que Jesus preservou o corpo de Maria da corrupção depois da morte. Pois ser-lhe-ia desonroso corromperem-se as carnes virginais de que ele se havia revestido. Para o Senhor seria um opróbrio, portanto, nascer de uma mãe, cujo corpo fosse entregue à podridão. Ora, quanto mais o seria, então, se esta mãe tivesse a alma corrompida pela podridão do pecado? Note-se, além disso, que a carne de Jesus é a mesma que a de Maria. E de tal modo o é, que, segundo o sobredito autor, até depois da ressurreição ela ficou sendo a mesma que tomara de Maria. Sobre isso observa Arnoldo de Chartres: “Uma é a carne de Jesus e de Maria. Na minha opinião, não dividem eles por isso entre si a grandeza, mas possuem a mesma glória”. Estabelecida esta verdade, qual seria a consequência, se Maria tivesse sido concebida em pecado? Para o Filho, embora não pudesse contrair a nódoa do pecado, daí resultaria sempre uma tal ou qual mancha. Pois não havia assumido uma carne outrora corrompida pela culpa, vaso de corrupção, sujeita a Lúcifer?

3. A dignidade do Filho exigia uma Mãe nos esplendores de consumada santidade

Maria não só foi Mãe, senão também digna Mãe do Salvador. Tal a proclama o coro uníssono nos Santos Padres. Diz-lhe Egberto, abade de Schoenau: No teu seio virginal escolheu o Rei dos reis sua primeira habitação; só tu foste achada digna por ele. E S. Tomás de Vilanova: Antes de conceber o Verbo Divino, foste digna de ser Mãe de Jesus Cristo. A própria Igreja atesta que a Virgem mereceu ser Mãe de Deus. Isso explicando, diz S. Tomás: Não pôde Maria merecer propriamente a Encarnação do Verbo, mas com o socorro da graça mereceu tão grande perfeição, que se tornou digna Mãe de um Deus. Também assim pensa o Pseudo-Agostinho: Por causa da sua singular santidade, e por mercê de Deus, mereceu a Virgem ser julgada singularmente digna de conceber o Altíssimo.

Acima de toda dúvida está, portanto, que Maria foi digna Mãe de Deus. Que excelência, que perfeição, não devia, por conseguinte, ser a sua? pergunta S. Tomás de Vilanova. Quando Deus eleva alguém a uma alta dignidade, também o torna apto para exercê-la, ensina o Doutor Angélico. Tendo eleito Maria por Mãe, certamente por sua graça a tornou digna de tão sublime honra. E daí o Santo deduz que jamais cometeu Maria pecado atual, nem venial sequer. Digna não teria sido, ao contrário, como Mãe de Jesus Cristo, porquanto a ignomínia da mãe passaria para o Filho, descendente de uma pecadora.

Cometesse Maria um só pecado venial, que enfim não priva a alma da divina graça, e já não seria digna Mãe de Deus. E quanto menos o seria então, se sobre ela pesasse a culpa original? Com semelhante culpa tornar-se-ia inimiga de Deus e escrava do demônio. Levou esta reflexão S. Agostinho a pronunciar aquela célebre sentença: Nem se deve tocar na palavra pecado, em se tratando de Maria; e isso por respeito àquele de quem mereceu ser a Mãe, o qual a preservou de todo pecado por sua graça.

Com S. Pedro Damião e S. Paulo devemos, pois, ter por certo que o Verbo Encarnado escolheu para si mesmo uma Mãe digna, da qual se não tivesse que envergonhar. Desprezivelmente, os judeus chamavam a Jesus de Filho de Maria, isto é, filho de uma mulher pobre. “Não é sua mãe essa que é chamada Maria?” (Mt 13,55). Não o atingiu esse desprezo, a ele que vinha dar ao mundo exemplos de humildade e paciência. Mas ser-lhe-ia certamente um grande opróbrio, se tivesse de ouvir dos demônios: Não é sua mãe essa que é pecadora? Que nascesse Jesus de uma mãe disforme e mutilada no corpo, ou possessa do demônio, seria igualmente inadmissível. Quanto mais, por conseguinte, o será o nascer ele de uma mulher, cuja alma por algum tempo houvesse sido deformada e possessa por Lúcifer?

É Deus a própria Sabedoria. Oh! como soube fabricar a casa em que havia de habitar na terra, e como conseguiu fazê-la realmente digna de si mesmo!

“O Altíssimo santificou seu tabernáculo; Deus está no meio dele” (Sl 45,5). O Senhor, diz Davi, santificou seu tabernáculo desde o raiar da manhã, isto é, desde o princípio de sua vida, para o tornar digno de si. Pois não convinha a um Deus tão santo outra habitação, que não uma santa. “A santidade convém à vossa casa, Senhor” (Sl 42,6). Protesta o Senhor que nunca há de entrar ou habitar na alma maligna, ou no corpo sujeito ao pecado (Sb 1,14). Como supor então que houvesse determinado morar na alma e no corpo de Maria, sem antecipadamente santificá-los e preservá-los de toda mancha do pecado? Pois S. Tomás acentua que o Verbo Eterno habitou não só na alma, como também no seio de Maria. Canta a S. Igreja: Senhor, não tivestes horror de habitar no seio da Virgem. Com efeito, a Deus repugnaria habitar no seio de uma Inês, de uma Gertrudes, de uma S. Teresa. Embora santas, foram enfim essas virgens maculadas pelo pecado original. Não o horrorizou entretanto fazer-se homem no seio de Maria, porque esta Virgem predileta foi sempre ilibada de culpa e jamais possuída pela serpente inimiga. Por isso, escreve o Pseudo-Agostinho: O Filho de Deus não edificou para sua habitação outra mais digna do que Maria, que nunca foi escravizada pelos inimigos, nunca esteve despojada de seus ornamentos. Quem jamais ouviu dizer, pergunta S. Cirilo de Alexandria, que um arquiteto, erguendo-se uma casa de moradia, consentisse que um seu inimigo a possuísse inteiramente e habitasse?

4. Convinha ao Legislador do IV mandamento preservar sua Mãe da Mancha original

O Senhor nos deu o preceito de honrar os nossos pais. Ele próprio não quis deixar de observá-lo ao fazer-se homem, nota S. Metódio, e por isso cumulou sua Mãe de todas as graças e honras. Portanto, conforme o Pseudo - Agostinho, deve-se certamente crer que Jesus preservou da corrupção o corpo de Maria, depois da morte, como acima o dissemos. Ora, quanto menos então teria Jesus Cristo atendido à honra de sua Mãe, se a não houvesse preservado da culpa de Adão? Certamente pecaria o filho que, podendo preservar a mãe da culpa original, não o fizesse logo, observa o agostiniano Tomás de Estrasburgo. Mas – continua ele – o que para nós seria pecado, não seria certamente decoroso ao Filho de Deus. Podendo fazer sua Mãe imaculada, tê-lo-ia deixado de fazer? Não; é isso impossível, diz Gerson.

Além do mais, é sabido que o Salvador veio ao mundo mais para remir a Maria, de que a todos os outros homens, escreve S. Bernardino de Sena. Dois, porém, são os modos de remir, na opinião de Suárez. Consiste o primeiro em levantar o decaído e o segundo, em preservá-lo da queda. É fora de dúvida que este último é o mais nobre, observa S. Antonino. Por ele se previne ao dano e à nódoa que resultam da queda. Quanto a Maria, devemos crer, por conseguinte, que foi remida por este modo mais nobre, e modo mais conveniente à Mãe de Deus como reafirma um escritor sob nome de S. Boaventura. Diz sobre isto com muita elegância o Cardeal Cusano: Os outros tiveram um Redentor que os livrou do pecado já contraído; porém a Santíssima Virgem teve um Redentor que, em sendo seu Filho, a livrou de contrair o pecado.

Em conclusão a este ponto recordo as palavras de Hugo de S. Vítor: Se o Cordeiro foi sempre imaculado, sempre ilibada deve também ter sido a Mãe, porque é pelo fruto que se conhece a árvore. E por isso assim a saúda: Ó digna Mãe de um digno Filho! Maria era de fato digna Mãe de tal Filho e só Jesus era digno Filho de tal Mãe. Acrescenta depois: Ó formosa Mãe do belo Filho, ó excelsa Mãe do Altíssimo! – Digamos-lhe, pois, com o assim chamado S. Ildefonso: Alimentai com vosso leite, ó Mãe, o vosso Criador; alimentai aquele que vos fez, e tão pura e tão perfeita vos criou, que merecestes que de vós ele próprio tomasse o ser humano.

Se conveio ao Pai preservar Maria do pecado, porque lhe era Filha, e ao Filho porque lhe era Mãe, está visto que o mesmo se há de dizer do Espírito Santo, de quem era Virgem Esposa.

PONTO TERCEIRO

Sendo-lhe Maria Esposa, convinha ao Espírito Santo preservá-la da mancha original

1. À Esposa do Espírito Santo convinha uma formosura ilibada

Foi Maria a única que, no dizer do Pseudo-Agostinho, mereceu ser chamada Mãe e Esposa de Deus. Com efeito, assevera Eádmero, o Espírito Santo veio corporalmente a Maria, enriqueceu-a de graça sobre todas as criaturas e nela repousou, fazendo-a sua Esposa, Rainha do céu e da terra. Veio corporalmente a Maria, diz ele, quanto ao efeito; pois veio formar de seu corpo imaculado o imaculado corpo de Jesus. Assim lhe predisse o arcanjo: O Espírito Santo descerá sobre ti (Lc 1,35). Chama-se por isso Maria templo do Senhor, sacrário do Espírito Santo, porque por virtude dele se tornou Mãe do Verbo Encarnado, observa S. Tomás.

Suponhamos que um excelente pintor tivesse que desposar uma noiva, formosa ou feia, conforme os traços que lhe desse. Que diligência não empregaria, então, para torná-la a mais bela possível! Quem poderá, pois, dizer que outro tenha sido o modo de agir do Espírito Santo, relativamente a Maria? Podendo criar uma Esposa toda formosa, qual lhe convinha, tê-lo-ia deixado de fazer? Não; tal como lhe convinha a fez, como atesta o próprio Senhor, celebrando os louvores de Maria: És toda formosa, minha amiga, em ti não há mancha original (Ct 4,7).

Na asserção dos santos Ildefonso e Tomás essas palavras se entendem da Virgem, conforme refere Cornélio a Lápide. S. Bernardino de Sena e S. Lourenço Justiniano afirmam que se devem entender justamente da Imaculada Conceição de Maria. De onde a palavra de Raimundo Jordão: Virgem bendita, és formosíssima em todo sentido; em ti não há mancha alguma de qualquer pecado, leve ou grave ou original. Idêntico é o pensamento do Espírito Santo, chamando sua Esposa de “jardim fechado e fonte selada” (Ct 4,12). O Pseudo-Jerônimo escreve: É Maria esse jardim fechado, essa fonte selada; jamais os inimigos nela entraram para ofendê-la, e sempre permaneceu ilesa, santa na alma e no corpo. Do mesmo modo saúda-a Egberto: És um jardim fechado no qual mãos de pecadores nunca penetraram para lhe roubar as flores.

2. À Esposa do Espírito Santo convinha uma santidade sem par

Sabemos que, acima de todos os santos e anjos, o Divino Esposo amou a Maria, como acentua Suárez com S. Lourenço Justiniano e outros. Desde o princípio amou-a, exaltando-a em santidade sobre todas as criaturas, insinua Davi com as palavras: Seus alicerces estão sobre as montanhas santas; o Senhor ama as portas de Sião mais do que a todas as tendas de Jacó... e o mesmo Altíssimo a fundou (Sl 86,5). Tais expressões significam que Maria foi santa desde o momento de sua conceição. É o que parecem dizer ainda outras palavras do Espírito Santo, nos Provérbios: Muitas filhas ajuntaram riquezas; tu excedeste a todas (31,9). Se, pois, a todas excedeu em riquezas da graça, possuiu também, por conseguinte, a justiça original, como a possuíram Adão e os anjos. De mais a mais, nos Cânticos nós lemos: Estão comigo um sem-número de virgens, mas uma só é a minha pomba, a minha perfeita (no hebraico: minha imaculada); ela é a única para sua mãe (6,7). Todas as almas justas são filhas da graça divina. No meio delas, porém, foi Maria a pomba sem fel, a perfeita sem mancha de origem, a única em graça concebida.

Achou-a por isso o anjo logo cheia de graça, mesmo antes de ser Mãe de Deus, e saudou-a nestes termos: Ave, cheia de graça! Sobre o texto diz o Pseudo-Jerônimo: Aos outros santos a graça é dada em parte, contudo a Maria foi dada em sua plenitude. De modo que, observa S. Tomás, a graça santificou não só a alma, senão também a carne de Maria, a fim de que com ela revestisse depois o Verbo Eterno. Tudo isso nos leva a reconhecer, com Pedro de Celes, que Maria desde sua conceição foi cumulada com as riquezas da graça pelo Espírito Santo. Daí a palavra de Nicolau, monge: O Espírito raptou para si a eleita de Deus e a escolhida entre todas. Quer assim exprimir o autor a rapidez com a qual o Espírito Santo se antecipou e desposou a Virgem, antes que Lúcifer a possuísse.

Ainda uma consideração para concluir este discurso, no qual mais do que nos outros me tenho demorado. Motiva-o a circunstância de nossa pequena Congregação ter por principal protetora a Santíssima Virgem Maria, precisamente sob este título de Imaculada Conceição. Quero declarar concisamente quais os motivos que me convenceram, e me parece que devem convencer a todos, da verdade desta sentença, tão pia e de tamanha glória para a Mãe de Deus.


Fonte: Glórias de Maria - Santo Afonso Maria de Ligório
Continua no próximo artigo!


Você também pode gostar da série de artigos As virtudes de Maria

Postar um comentário:

0 comments: